Acusados de latrocínio contra jovem capinzalense serão ouvidos pela Justiça de Joaçaba na próxima semana

Capinzal – Os acusados de latrocínio contra o jovem capinzalense Jaison Azevedo, 19 anos, serão ouvidos pela Justiça na próxima semana. A audiência está marcada para a quarta-feira (24) no Fórum da Comarca de Joaçaba. A audiência de instrução e julgamento está marcada para as 13h15min. No total serão ouvidas pelo juiz Marcio Umberto Bragaglia 13 pessoas, entre acusados e testemunhas. Outra testemunha, adolescente, será ouvida separada na próxima segunda-feira (22).

Os acusados ouvidos Flavio Pereira da Silva, 23 anos, natural de Peritiba; Welinton Urmann Tavares, 19 anos, natural de Capinzal; Lucas de Almeida, 23 anos, natural de Capinzal e José Carlos dos Santos, 34 anos, natural de Joaçaba. Dos quatro, Welinton Tavares está recolhido ao presídio regional de Chapecó. Os demais estão no presídio regional de Joaçaba. A defesa deles é feita pelo defensor público Alessandro Cantelli de Souza. Apenas José Carlos dos Santos conta também com defensor constituído, sendo a advogada Maria Helena Cerino.

Conforme a denúncia do Ministério Público, Flávio Pereira da Silva, Welinton Urmann Tavares e Lucas de Almeida se dirigiram no dia 19 de janeiro de 2017, por volta das 23h45min, até o estacionamento da empresa BRF em Capinzal, quando visualizaram a vítima Jaison Azevedo saindo do trabalho, conduzindo um veículo GM/Corsa com placas de Capinzal e, por terem frequentado o mesmo colégio, entenderam que se trataria de alvo fácil. Posteriormente os três solicitaram-­lhe carona. A vítima aceitou fornecer a carona e os transportou até a comunidade de Caravagio, na saída de Ouro para Lacerdópolis, oportunidade em que Welinton teria pedido que parasse porque queria urinar.

Atendendo ao pedido a vítima estacionou no acostamento, e, nesse momento, teria sido rendida pelo grupo que anunciou o roubo dizendo: “perdeu gordinho”. Flávio teria nesse instante assumido a direção do veículo, enquanto Welinton seguiu ao seu lado e Lucas segurou a vítima e sentou com ela no banco traseiro.

Durante o trajeto, os acusados teriam ameaçado a vítima dizendo que iriam levar o veículo e “desaguar o Alemãozinho”, quando a vítima teria clamado pela vida e pedido para ver a família, autorizando que os denunciados fizessem qualquer coisa com o carro, desde que o deixassem vivo. Mesmo diante das súplicas os quatro rumaram pela BR-­282 até o acesso a cidade de Herval d’ Oeste. Em um refúgio teriam estacionado o carro, retirado a vítima de seu interior à força, envolvido uma toalha em seu pescoço e cada um dos acusados puxado em um dos lados, efetuando um estrangulamento.

Como a vítima começou a se debater, Lucas teria pisado em sua cabeça e auxiliado os demais a puxarem com mais força a toalha, concluindo o ato. Na sequência, seguiram até a ponte da Amizade, a qual divide os municípios de Herval d’Oeste e Luzerna, localizada na avenida Caetano Natal Branco, onde jogaram o corpo da vítima, que caiu de altura considerável nas águas do Rio do Peixe e morreu por parada cardiorrespiratória causada por afogamento, conforme apontou laudo do IGP. Consumado o latrocínio, os acusados teriam seguido até uma boate na SC-­150, em Água Doce, quando, por volta de 1h30min do dia seguinte, 20 de janeiro, ofertaram à venda o veículo roubado para alguns dos frequentadores do local.

José Carlos dos Santos, após conversar com os demais denunciados recebeu o veículo comprometendo­-se a trocá­-lo por droga e dividir entre Flávio, Welinton e Lucas. Então, naquela mesma madrugada, ele deslocou-­se até a cidade de Chapecó, mas não conseguiu repassar o bem roubado, retornando para Água Doce. Interessado no bem cuja origem era ilícita, José Carlos teria oferecido 1 kg de maconha, a qual mantinha em depósito no matagal atrás da boate.

Os demais acusados aceitaram o entorpecente oferecido e entregue por José Carlos, retornando para Capinzal. José Carlos, por sua vez, se deslocou mais uma vez para Chapecó, local em que desejava vender o veículo receptado ou trocá-­lo por mais entorpecente. Assim, no dia 22 de janeiro, por volta das 6h, na Rua Ivan Bertaso, bairro Seminário, José foi abordado pela polícia, estando na posse do bem receptado. O corpo de Jaison Azevedo foi encontrado por pescadores na manhã do dia 21 de janeiro nas águas do Rio do Peixe, na margem de Luzerna, município que pertence à comarca de Joaçaba. Um boletim de ocorrência de desaparecimento já havia sido feito por familiares da vítima.

1 Comentário

  1. MEU DEUS OUVIR ESTE RELATO E SABER COMO MORREU O POBRE TRABALHADOR JOVEM,, ESTES ASSASSINOS NÃO SÃO DIGNO DE VIVER A VIDA; A LEI PRA SER REAL E VERDADEIRA DEVIA AGIR COMO SE TOCA SE DANÇA, É MUITO TRISTE! MEU DEUS JUSTIÇA VERDADEIRA SÓ O SENHOR MESMO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.