Após debates acirrados, Alesc aprova liberação de cerveja nos estádios

Estado – Após debates intensos, os deputados estaduais de Santa Catarina aprovaram nesta quarta-feira (20), em dois turnos, o Projeto de Lei 476/2015, de autoria de Rodrigo Minotto (PDT) e Manoel Mota (PMDB), que libera a venda e o de cerveja nos estádios e arenas desportivas do estado. A Redação Final da matéria também foi aprovada, já na noite desta sexta, e a segue para sanção ou veto do governador Raimundo Colombo (PSD).

O projeto possibilita a venda de cerveja nos estádios, sendo que 20% dos produtos comercializados deverão ser reservados para cervejarias artesanais.  Os deputados que se manifestaram contra a proposta acreditam que a liberação da cerveja vai aumentar a violência nos estádios e pode afastar os torcedores, principalmente mulheres, crianças e idosos, das arquibancadas.

“Como médico, posso afirmar que a bebida causa mais acidentes, mais brigas. Vai aumentar as despesas dos hospitais, com vandalismo. Esse projeto é uma afronta à sociedade”, disse Antônio Aguiar (PMDB).

O presidente da Comissão de Prevenção e Combate às Drogas, deputado Ismael dos Santos (PSD), e o deputado Mauricio Eskudlark (PR) criticaram faixas que estavam no plenário, com os dizeres “Sem cerveja, estádio vazio”. Ismael classificou a frase como patética e afirmou que o PL era ilegal, já que o Estatuto do Torcedor proíbe as bebidas alcoólicas nos estádios, e um retrocesso, pois poderia comprometer a política de Segurança Pública no estado. “O Ministério Público e a Polícia Militar se manifestaram contra essa iniciativa”, disse.

O deputado Gelson Merisio (PSD), frequentador assíduo dos jogos da Chapecoense, afirmou que a medida pode causar prejuízo aos clubes. “O ganho no curto prazo com a venda da cerveja pode se tornar um prejuízo no futuro com a perda de público e a interdição  dos estádios”, alertou. Já Narcizo Parisotto (PSC) considerou que os clubes vão ganhar mais dinheiro com futebol de qualidade e estádios seguros, e não com a venda de bebida.

Os autores do PL discordaram que a venda de cerveja vai aumentar a violência nos estádios. Eles lembraram que vários estados lá liberaram o produto. Rodrigo Minotto destacou que cabe aos clubes zelar pela segurança dos torcedores. “Não podemos ceifar um direito do consumidor”, disse.

Manoel Mota lembrou que festas como a Oktoberfest de Blumenau são marcadas pelo alto consumo de cerveja, sem o registro de graves ocorrências. Ele acredita que o recurso obtido com a venda do produto vai contribuir para que os clubes catarinenses montem times mais fortes para as competições nacionais.

O deputado Roberto Salum (PRB) também defendeu a aprovação do projeto. “Eu desafio os órgãos de segurança a comprovarem que tem briga em estádio por causa de bebida alcoólica”. Nilson Gonçalves (sem partido) afirmou que as pessoas mal-intencionadas vão provocar brigas nos estádios com ou sem bebida.

Presidentes e representantes de clubes de futebol e da Federação Catarinense de Futebol acompanharam a votação do projeto e comemoram a aprovação.  O presidente da Associação de Clubes Profissionais de Futebol de Santa Catarina (SCClubes), Luiz Henrique Medeiros, garantiu que a venda de cerveja não vai comprometer a segurança dos torcedores. Ele informou que parte dos recursos obtidos com a comercialização vai ser destinada para um comitê de segurança da associação, visando ao desenvolvimento de campanhas de prevenção e combate à violência dentro dos estádios. “O consumo de cerveja vai ser controlado, tanto na quantidade, quanto no tempo”, afirmou. (Agência Alesc)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.