Estado catarinense tem nove barragens em situação de alto risco, aponta ANA

Seis barragens ficam no Oeste (Foto: Guilherme Hahn)

Estado – Santa Catarina tem nove barragens em situação de alto risco e que são consideradas as mais preocupantes pelos órgãos de fiscalização do estado. A informação faz parte do Relatório de Segurança das Barragens 2018, divulgado na última semana pela Agência Nacional de Águas (ANA).

A definição das nove barragens que mais preocupam foi feita por vistorias pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Sustentável de Santa Catarina.

O critério estabelecido foi o fato de que, além de possuírem situação de alto risco, elas são consideradas com alto dano potencial associado, o que significa que elas possuem residências e comunidades perto e podem impactar um grande número de pessoas caso sofram algum problema.

Das nove barragens preocupantes de Santa Catarina, três ficam em cidades do Planalto Serrano e outras seis no Oeste. Em comum, elas têm o fato de não possuírem plano de segurança, para identificar problemas que possam provocar acidentes, nem plano de ação emergencial, com procedimentos em caso de danos.

De acordo com o relatório, elas também não passaram por revisão periódica. Esses fatores fazem com que a classificação delas seja como de estruturas de alto risco.

Segundo a engenheira Gisele de Souza Mori, da Secretaria Executiva de Meio Ambiente do Governo do Estado, algumas dessas barragens nem responsável técnico têm. De acordo com a engenheira, não é raro não terem os planos de segurança e ação emergencial. Muitas foram feitas pelo próprio empreendedor, que contrataram uma máquina e fizeram a estrutura.

A definição de risco foi dada em inspeções de uma empresa privada contratada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e levou em conta fatores como a altura do barramento e as condições da área alagada.

No total, o Estado conta com 186 barragens. Dessas, apenas três não fazem parte da Política Nacional de Segurança de Barragens, que determina normas nacionais de monitoramento dessas estruturas. (Com informações do Diário Catarinense)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.