Etchegoyen defende cautela na segurança da posse de Bolsonaro

Ministro do GSI, General de Exército Sérgio Westphalen Etchegoyen, participa da Solenidade Comemorativa dos "80 Anos de História do Gabinete de Segurança Institucional"

Brasília – O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, afirmou hoje (3) que a segurança na posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro, deveria ser marcada por cautela. Questionado se recomendaria o desfile em carro aberto, o ministro disse que “a segurança sempre assessora, mas a decisão é do presidente [eleito]. Eu presidiria tudo por cautela”.

Etchegoyen lembrou o atentado sofrido por Bolsonaro no primeiro turno da campanha e afirmou que ele ainda é alvo de “agressões frequentes nas midias sociais”. O ministro defendeu que seja dada garantia a Bolsonaro e ao vice-presidente, general Hamilton Mourão, para as melhores condições de governo.

“Certamente, segurança do presidente eleito e da nova adminstração, exigirá cuidados mais tensos”, disse, em comparação ao aparato que tem hoje o presidente Michel Temer.

Conforme adiantou a Agência Brasil no mês passado, a vontade de Bolsonaro é desfilar no Rolls Royce no dia da posse “para estar mais perto do povo”, mas, por questões de segurança, ele tem sido desencorajado. A decisão caberá ao próprio Bolsonaro e poderá ser tomada até o dia da posse. Além da questão de segurança, a condição climática no dia também pode atrapalar o desfile em carro aberto.

Comemoração

O ministro Sérgio Etchegoyen participou hoje, no Palácio do Planalto, da solenidade em comemoração aos 80 anos do GSI. Durante acerimônia, o presidente Michel Temer destacou a atuação do militar no governo. Disse que, neste período, Etchegoyen não lhe passava apenas informações de segurança nacional e inteligência, mas opinava em outras áreas, por ser “um intelectual”.

Ao lembrar momentos marcantes no governo Temer, o ministro destacou a a crise humanitária em Roraima que,  segundo ele, não foi pequena, por causa da vinda de refugiados Venezuelanos para o Brasil e devido à greve dos caminhoneiros, avaliada como o momento mais tenso. Sobre o último episódio o general disse que nunca pensou que não haveria uma saída. “Nunca achei que estava perdido, havia quem achasse, mas eu nunca achei”, garantiu aos jornalistas. (Agência Brasil)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.