Governo de SC aumentou folha de pagamento em 109% nos últimos seis anos, afirma Moreira

Estado – Os números foram apresentados pelo governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), em entrevista coletiva, nesta quarta-feira (18), quando anunciou novas medidas de contenção de gastos – a principal delas o corte de mais de 230 cargos comissionados e funções gratificadas. De acordo com Moreira, essa redução na máquina pública se deve,
principalmente, ao fato de que o Estado ultrapassou o limite legal de gastos com pessoal,
previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Moreira apresentou os números que mostram o crescimento da folha de pagamento.
Conforme os gráficos, de 2011 a 2017, a despesa teve um acréscimo de cerca de R$ 5,8
bilhões. Durante o período, o aumento na folha foi de 109,2% contra um INPC de
52,9%. “Se levássemos essa realidade para o setor privado, qualquer empresa fecharia as
portas nessa condição. É uma situação grave que precisa ser enfrentada com coragem”,
exemplificou o governador.

Eduardo Moreira acrescentou que, mesmo sem conceder aumento algum, a folha de
pagamento terá um acréscimo de R$ 651 milhões em 2018. “É dramático para as contas
públicas e nós tomaremos atitudes corajosas para fechar as contas”, afirmou. Conforme Eduardo Moreira, ao ultrapassar o limite prudencial da LRF com a folha, o Estado
pode ficar impedido de receber transferências voluntárias do Governo Federal e até mesmo
de contratar operações de crédito, por exemplo. “Temos um compromisso de gestão
transparente e responsável com os catarinenses, e vamos cumpri-lo”, destacou o
governador.

Diante das regras da LRF, o atual governador – que assumiu este ano a chefia do Poder
Executivo com a renúncia de Raimundo Colombo (PSD) – adotou medidas de
contenção. Além da redução dos cargos, o pacote prevê a criação de um grupo de trabalho
formado pelas secretarias da Fazenda, Casa Civil e Administração, além da Procuradoria
Geral do Estado (PGE), que ficará responsável por revisar todos os contratos do Governo e
analisar todas as licitações; e suspensão de reposição salarial ou concessão de novos
aumentos.

“É necessário coragem para promover as mudanças necessárias, independentemente dos
enfrentamentos políticos e, sobretudo, responsabilidade para também dizer não”, resumiu o
governador.

FOLHA EM DIA
Durante a entrevista coletiva à imprensa, o governador reconheceu a importância do
servidor público, mas ressaltou que o momento exige muita cautela: “Na luta de todo
governante, gerar emprego é muito importante, por isso é entristecedor ter que adotar
essas medidas. Mas não há outra saída, é uma obrigação legal que, se não for cumprida,
poderá tornar Santa Catarina ingovernável no próximo ano e trazer consequências graves
para o Estado”, apontou.

O governador frisou que o pagamento em dia dos salários dos servidores também é um
compromisso que será cumprido com todo o rigor. Por uma questão previdenciária, os
cortes serão feitos a partir do dia 1º de maio, em todos os setores do Governo, na grande
maioria nas secretarias centrais.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.