Jogadoras mais velha e caçula da Copa duelam em Austrália x Brasil

Montpellier (França) — Na estreia do Brasil na Copa do Mundo da França, Formiga fez história ao bater o recorde como a jogadora mais velha a disputar o torneio. Aos 41 anos, ela participa da sétima competição na carreira. Após a vitória sobre a Jamaica, por 3 x 0, o segundo confronto da Seleção Brasileira, na quinta-feira, terá um duelo de gerações. Formiga enfrentará a Austrália, da caçula do Mundial Mary Fowler, de apenas 16 anos.

Fowler joga no Bankstown City Lions da Austrália com as outras duas irmãs e um irmão. A atleta vem de uma família envolvida com o futebol. Os quatro praticam a modalidade. Inexperiente em grandes competições, a adolescente de 16 anos tem relação com o Brasil. A estreia pela seleção foi contra o time de Vadão, em 2018, no Torneio das Nações de Futebol Feminino. Na partida, a Seleção Brasileira perdeu por 3 x 1 para a Austrália.

Apesar da façanha de compor o elenco de uma equipe forte como a australiana em uma Copa do Mundo, antes mesmo de Fowler sonhar em jogar futebol, outras atletas abriram esse espaço para a modalidade feminina. No ano em que a talentosa atacante australiana nasceu, Formiga disputava a terceira Copa do Mundo dela. Tinha 25 anos na edição de 2003, nos Estados Unidos. Na época, o Mundial ainda contava com 16 equipes. Agora, são 24 desde a última versão, em 2015.

Por sinal, no Mundial de 2003, outras atacantes que se tornariam referência no futebol mundial estreavam na Copa. Marta e Cristiane tinham 17 e 18 anos, respectivamente, quando disputaram o torneio pela primeira vez. Cinco edições depois, Marta carrega o status de maior artilheira da história da competição, com 15 gols, sem ainda ter entrado em campo na França. Cristiane atualizou a coleção de gols ao marcar três vezes na estreia do Brasil diante da Jamaica, e assumir a vice-artilharia, com 10 gols.

Prestes a fazer história na Copa, Fowler teme que a trajetória da nigeriana Ifeanyi Chiejive se repita. Ela foi a jogadora mais nova a ser convocada para a Copa do Mundo, em 1999, mas não entrou em campo. Tanto o recorde de se tornar a mais jovem a jogar o torneio quanto o encontro com Formiga estão ameaçados. A australiana se recupera de lesão sofrida no treino das Matildas — apelido das Austrália — na última sexta-feira. Fowler voltou a aparecer no treino, mas ficou no banco com o restante do grupo, sem participar do trabalho.

Ao jornal, The Sydney Morning Herald, o técnico Ante Milicic afirmou ser uma situação temporária. “Aparentemente, é só uma precaução. Ela sentiu um incômodo no músculo. Eu não vou arriscar uma garota de 16 anos de idade”, disse. No primeiro jogo da seleção australiana, a jovem atacante não foi relacionada e ficou fora até do banco da Austrália.

Mesmo sem saber se terá condições de jogo contra o Brasil, Fowler pode sentir-se realizada. Filha de um irlandês, a jogadora encontrou problemas para consolidar a convocação no país em que nasceu. Kevin Fowler, o pai dela, gostaria que a australiana jogasse na Irlanda e atuasse com os irmãos, Quivi e Ciara, que jogaram nas categorias de base de times irlandeses.

Mary Fowler-Austrália
Mary (de vermelho) e os outros quatro irmãos praticam a modalidade | Divulgação/The Fowler 5

A jovem estreante Jamaica e o experiente tricampeão EUA

Cristiane roubou a cena em Grenoble, mas, do lado jamaicano, uma jovem jogadora assumiu o protagonismo. A goleira Sydney, de 19 anos, defendeu pênalti de Andressa Alves, camisa 10 do Barcelona, e evitou uma goleada ainda maior. Sydney, que ainda é universitária, defende a equipe mais jovem da competição.

O elenco da Jamaica, estreante em Copas do Mundo, tem média de 23 anos. Em compensação, os Estados Unidos, maiores campeões mundiais com três títulos, levaram para a França a equipe mais experiente das 24, com 28,52 anos. A atacante Carli Loyd é a mais velha do elenco norte-americano, que conta com 12 atletas nascidas na década de 1980. O Brasil segue logo atrás e tem a ajudinha de Formiga para elevar a média a 27,5 anos.

Após a primeira rodada, o Brasil está na liderança do Grupo C da Copa do Mundo em função da vitória por 3 x 0 contra a Jamaica. A Itália também ganhou, mas fica em segundo pelo saldo de gols menor. Na segunda rodada, as brasileiras enfrentam a Austrália, terceira colocada. As italianas pegam a Jamaica. O Brasil fez um treino só com as reservas ontem de manhã, ainda em Grenoble, e foi de ônibus no início da tarde para Montpellier, onde jogará a segunda rodada. A seleção comandada por Vadão volta a treinar hoje à tarde. (Reportagem Correio Braziliense)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.