Juiz de Tangará condena três pelo golpe do bilhete premiado; prisões ocorrem em Capinzal

Tangará – O juiz Flávio Luís Dell’Antônio, da Comarca de Tangará, condenou nesta quarta-feira (7) três gaúchos pela prática de estelionato, por terem aplicado o “golpe do bilhete premiado” no município. Claudia Elisabete Rosa Dias, Marcos Vinicius Zerwes e Geison de Mello Barboza, lesaram uma idosa de 74 anos em R$ 20 mil reais.

O fato ocorreu por volta das 9h do dia 12 de abril, quando Claudia abordou a vítima afirmando possuir um bilhete de loteria premiado. Em seguida se aproximou Marcos, que simulando desconhecer a mulher, incentivou para que fossem receber o prêmio. Claudia ofereceu a idosa a quantia de R$ 120 mil reais para que ela ajudasse a receber o dinheiro do “suposto prêmio”, no entanto, solicitou R$ 40 mil como garantia. Após convencerem a vítima, eles se deslocaram em um VW/Polo, placas MEL-2688 de Salvador das Missões/RS, até o banco Sicoob para efetuar o saque da quantia solicitada.

Ao adentrar na agência, a vítima foi monitorada por um terceiro integrante do golpe, Geison de Mello Barboza, que estava lá para se certificar do saque. A idosa conseguiu sacar R$ 20 mil, que entregou para Claudia. Para sacar o restante do valor, a dupla se deslocou com a vítima até Videira. No entanto, os atendentes do banco não autorizaram a transação, e quando a idosa retornou, não encontrou mais os golpistas.

A Polícia Civil identificou os autores pelas câmeras de segurança do comércio, que flagraram toda a ação. A partir de então, os investigadores começaram a monitorar o registro de novos Boletins de Ocorrência relacionados ao “golpe do bilhete”, percebendo ocorrências semelhantes em Chapecó e Xanxerê. Em trabalho conjunto com a Polícia Civil desses municípios, os autores foram rastreados e presos pela Polícia Militar quatro dias depois no município de Capinzal.

Claudia foi condenada a 4 anos, 11 meses e 25 dias reclusão, em regime inicial fechado. Marcos a 4 anos 10 meses e 14 dias de reclusão, regime inicial fechado, e Geison a 3 anos, 10 meses e 10 dias de reclusão (regime semiaberto).

O magistrado também fixou em R$ 20 mil o valor mínimo para reparação dos danos causados a vítima de Tangará, suportado de forma solidária pelos condenados, ao decretar a perda do veículo VW/Polo, que deverá, após o trânsito em julgado, ser avaliado e alienado para à indenização da vítima.

“Considerando que os apenados responderam presos durante todo o processo e porque ainda persistem os motivos da prisão preventiva, nego-lhes o direito de recorrerem em liberdade”, proferiu o juiz Flávio Luís Dell’Antônio. (Informações Caco da Rosa)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.