Justiça Federal decreta perda do mandato de vereadora em Chapecó

A Justiça Federal de Chapecó, por meio do juiz Gueverson Farias, em análise a Embargos de Declaração oferecidos pelo Ministério Público Federal com relação a Sentença no processo da Manobra de Osler, decretou a perda do mandato de vereadora da ex-secretária de Saúde Cleidenara Weirich (PSD). A decisão cabe recurso e os advogados tem prazo de cinco dias para se manifestar.

O promotor Carlos Humberto Prola Junior apresentou os Embartos, ainda no dia 6 de setembro, quando questionou itens da sentença que juga necessitar de correção de erros ou omissões. Entre os pedidos do MPF está a perda do mandato de Cleinara Weirich, eleita a vereadora mais votada em outubro de 2016. Ela está afastada do cargo desde novembro de 2016 em função de medida cautelar que a impede de exercer cargos públicos e o mandato.

Na sentença, publicada na quinta-feira (28), quando o juiz Gueverson Farias decretou também a prisão do marido de Cleidenara, Josemar Weirich, o magistrado afirma que “em primeiro lugar, é preciso reconhecer que a sentença de fato foi omissa neste ponto, pois não houve pronunciamento jurisdicional a respeito da aplicabilidade ou não ao caso da previsão contida no art. 92, I, do Código Penal”.

Fundamentação

“Embora seja possível afirmar que a possibilidade de retorno da ré ao cargo de Secretária Municipal de Sáude de Chapecó – que, conforme revelaram interceptações telefônicas, era cogitada à época – seja hoje praticamente inexistente, devido ao próprio desgaste político decorrente da deflagração da denominada ‘Operação Manobra de Osler’, a eventual entrada em exercício do cargo no cargo de vereadora sem dúvida lhe daria poder decisório sobre a destinação de recursos públicos, criando mais uma vez as condições necessárias para a prática de crimes como aquele pelo qual foi condenada neste processo”, diz trecho da decisão.

A perda do mandato foi decretada pela primeira vez no âmbito do processo, tendo em vista que inicialmente havia sido solicitado apenas o afastamento do cargo. Para que Cleidenara efetivamente tenha o mandato cassado, a decisão em primeira instância precisa ser confirmada no segundo grau, ou seja, quando foi analisada por magistrado do Tribunal Regional Federal da 4ª região e transitado em julgado, o que pode envolver recursos a outras instâncias superiores, a exemplo do Supremo Tribunal Federal (STF). Cleidenara continua afastada do mandato de vereadora, por força de medida cautelar, e não pode exercer nenhum cargo público. Ela não recebe salário da Câmara de Vereadores por estar afastada do mandato. (Diário do Iguaçu)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.