Pandemia de covid-19 está longe de terminar, diz OMS

É a primeira vez que a OMS admite a morte de crianças por Covid-19 (foto: Fabrice Coffrini/AFP)

A pandemia de covid-19, relatada pela primeira vez há seis meses na China, está longe de ter terminado e “inclusive está acelerando”, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (29).​

“Todos queremos que isso termine. Todos queremos seguir com nossas vidas. Mas a dura realidade é que estamos longe do fim”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa virtual.

“Amanhã, seis meses terão se passado desde que a OMS recebeu os primeiros relatos sobre um grupo de casos de pneumonia de origem desconhecida na China. Há seis meses, nenhum de nós imaginaria como nosso mundo e nossas vidas seriam prejudicados”, acrescentou.

Desde que a China anunciou oficialmente em dezembro a aparição da doença, o novo coronavírus provocou a morte de mais de 500.000 pessoas no mundo e mais de 10 milhões de casos foram registrados, dos quais quase metade é considerada recuperada.

“Já perdemos muitas coisas, mas não podemos perder a esperança”, enfatizou.

O chefe da OMS observou que uma vacina será uma “ferramenta importante” para controlar o vírus a longo prazo, mas pediu aos governos que “façam testes, rastreamentos, isolem e coloquem os casos em quarentena”, e à população que respeite as medidas de higiene, use máscara quando necessário e respeite as regras de distância física.

OMS vai enviar equipe à China para investigar a origem do coronavírus

Tedros Adhanom Ghebreyesus anunciou também que a OMS está se preparando para enviar uma equipe à China para determinar a origem do novo coronavírus.

A agência especializada da ONU pressiona a China desde o início de maio para convidar seus especialistas para investigar a origem animal do novo coronavírus.

“Poderemos combater melhor o vírus quando soubermos tudo sobre o vírus, incluindo como ele começou. Enviaremos uma equipe para a China na próxima semana para nos prepararmos para isso, e esperamos que nos ajude a entender como o vírus começou e o que podemos fazer no futuro para nos preparar”, disse em entrevista coletiva.

Tedros não especificou a composição da equipe ou em que consistirá a missão.

Os cientistas acreditam que o coronavírus, que já matou mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo e infectou mais de 10 milhões, passou de um animal para o homem e surgiu na China no final do ano passado, possivelmente no mercado da cidade de Wuhan, que vendia animais selvagens como alimento.

UOL

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.