Professor de Capinzal desenvolve o projeto “Minha primeira composição”

Com toda a informação disponível no mundo virtual hoje o professor já não é o detentor do saber. Muitas vezes o aluno chega à escola com uma carga de informação que ultrapassa em muito o repertório do professor em determinados assuntos. No tocante à destreza digital, nem há o que falar, os alunos são mais rápidos, tem a familiaridade e consequentemente fazem uso com mais frequência acompanhando mais de perto as novas tecnologias atualizadas.

Com tanto motivo para a apreensão da atenção dessas gerações W (de 1991 à 2000), geração Z (de 1990 à 2010), geração alpha (após 2010), a maioria dos professores não conseguiu acompanhar as constantes mudanças tecnológicas, fazendo haver um novo perfil de educador muito mais interativo que além de obrigatoriamente terem que familiarizar-se com as TICs, pois não há outra saída para o que veio para ficar e sejamos realistas, há de se fazer uso dessas para um melhor aprendizado em tempo real e recheado de opções também tem que familiarizar-se com alunos que hoje são mais criativos, participativos, inovadores e autores do processo de aprendizagem onde o professor possa a ensinar apreendendo o saber que já não é mais de cima para baixo exigindo adaptação.

Quase todos os professores hoje buscam soluções pedagógicas criativas para prender a atenção do aluno, visando suprir essa presença as vezes “sufocante”, da tecnologia atualizada.

Foi o que fez o professor João luiz de Jesus da Escola Municipal de Música ao criar o projeto, “Minha primeira composição” para os alunos que estão no primeiro ano de aprendizado musical da seguinte forma.

O primeiro objetivo foi o de proporcionar o conhecimento de vários instrumentos musicais, inclusive os menos populares propondo a escolha de um instrumento musical para a construção de um acróstico. Antes, porém, o aluno conhecia através da internet a história do instrumento, sua origem, construção, evolução através dos tempos etc…

O segundo objetivo foi incentivar a composição fazendo com que a simples frase ou os versos e até mesmo os textos que saíram dos acrósticos feitos dos instrumentos com nomes maiores em número de letras fossem transformados em melodia. Posteriormente o aluno achava o ritmo mais adequado e por último e principal objetivo usar os acordes, (posições, desenhos) que os alunos estavam estudando no período desse projeto.

Participaram do projeto os alunos que estavam estudando a terceira tonalidade maior (I° E7Maj, II° F#m7, III° G#m7, IV° A7Maj, V° B7, VI° C#m7, VII° D#m5°/7) e a sua respectiva escala diatônica maior, pois assim além da melodia cantada, o ritmo e a harmonia da letra criada através do acróstico, também se pudesse criar introdução, fraseado solo do meio, solo final.

O resultado foi super interessante e o conhecimento aconteceu de uma maneira diferente, pois, os alunos foram os autores mediatizados apenas, pelo professor. O mais importante também é que devido as mídias, aplicativos, várias redes sociais os alunos não praticam suficientemente o seu instrumento em casa justamente pela falta de tempo. Ao criarem a sequência Harmônica de suas músicas os alunos tiveram que dominar os acordes da tonalidade concretizando seu aprendizado e criando-se visivelmente um clima de mais autoestima e ajuda mútua entre os alunos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.