Programa do MP quer fortalecer controle interno nas prefeituras

Estado – O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) quer incentivar prefeitos e vereadores que vão tomar posse no dia 1º de janeiro a estruturar as controladorias nas prefeituras de seus municípios. A iniciativa faz parte do Programa Unindo Forças, criado pelo MP para fortalecer os controles internos das administrações municipais, prevenindo e combatendo casos de corrupção nas prefeituras.

Conforme o promotor Samuel Naspolini, coordenador do Centro de Apoio Operacional da Moralidade Administrativa no MPSC, a existência de controladorias municipais é uma exigência da Constituição Federal. O objetivo desses órgãos é acompanhar a realização dos planos de governo dos prefeitos; acompanhamento, fiscalização e correção de atos da administração municipal; realização de auditorias e investigações internas, recebimento de críticas e reclamações da população; entre outras atribuições.

Diagnóstico realizado pelo MP apontou que, até 2015, em 80% dos municípios catarinenses, o órgão de controle interno era composto apenas por um servidor; em 35% das cidades, o ocupante desse cargo era um servidor comissionado. O levantamento apontou, ainda, que 65% das prefeituras não criaram cargos específicos para controladoria em seus quadros funcionais. Além disso, há casos de desvio de função, no qual o servidor que deveria atuar como controlador desempenha outras atribuições dentro da prefeitura.

“Detectamos um conjunto de problemas que torna a atuação das controladorias muito precária em vários municípios”, explica o promotor. “Por exemplo, o fato de um servidor comissionado desempenhar essa função é problemática porque ele não tem a garantia do emprego que o servidor efetivo tem para tomar atitudes que serão antipáticas à administração.”

Naspolini explicou que o objetivo do Programa Unindo Forças quer conscientizar os prefeitos e vereadores eleitos em outubro sobre a importância dos órgãos de controle interno e do trabalho que pode ser desempenhado em conjunto com o MP e o Tribunal de Contas do Estado (TCE) nessa área. Para ele, a estruturação das controladorias, além de ser uma obrigação constitucional, traz benefícios para os municípios, principalmente com a economia de recursos públicos.

“Muitos veem a estruturação, a criação das controladorias como despesa. Na realidade é um investimento, pois com atitudes simples e rápidas, é possível economizar recursos. Tivemos um município no Oeste que apenas com o controle do uso de celulares corporativos conseguiu uma redução de 60% no valor da conta de telefone”, exemplificou. O promotor não descarta a proposição de Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) ou até mesmo de ações judiciais para os prefeitos que não estruturarem os órgãos de controle.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.