SC precisa de mais 179 leitos de UTIs neonatais, segundo estudo da Sociedade Brasileira de Pediatria

Segundo um estudo da Sociedade Brasileira de Pediatria, Santa Catarina precisa de mais 179 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatais. Conforme a associação, são necessários quatro leitos desse tipo para cada mil nascidos vivos. A Secretaria de Estado da Saúde disse que segue as recomendações do Ministério da Saúde.

O estado tem 226 leitos de UTI neonatal, sendo 174 públicos e 52 privados. Mas que nem sempre estão vagos.

No Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, em Joinville, no Norte, são 20 leitos de UTI neonatal. Hoje, todos estão ocupados. O hospital atende todo o estado. Ele é referência em cardiologia.

Na região Sul do estado, são 14 leitos de UTI neonatal. Metade fica no Hospital Santa Catarina, em Criciúma, onde todos os leitos tão ocupados. Os outros sete ficam no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, onde também não há mais vaga.

A região Oeste tem 10 leitos de UTI neonatal, todos no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó. Hoje, todos estão ocupados. Se algum bebê a mais precisar, o caso será analisado pelo sistema de regulação de vagas e esse bebê, transferido para um leito disponível em outra região do estado.

No Hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, os 10 leitos de UTI neonatal estão ocupados. Em Blumenau, no Vale do Itajaí, o Hospital Santo Antônio também tem 10 e nenhum está disponível. O único da região que pode receber recém-nascidos em estado grave é o Hospital Regional do Alto Vale, em Rio do Sul, que, dos seis leitos, está com dois vagos.

O Vale do Itajaí, de acordo com os dados mais recentes do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSus), é a região do estado com a menor relação de leitos de UTI neonatal por mil crianças nascidas vivas.

A região, inclusive, é a única do estado que está abaixo do número considerado ideal pelo Ministério da Saúde. A média de leitos é de 1,4.

Recomendações

A portaria 930 do Ministério da Saúde recomenda que para cada mil nascidos vivos o estado tenha dois leitos de UTI neonatal. De acordo com essa portaria, Santa Catarina fica um pouco acima dessa recomendação, com 2,35.

Mas, para Sociedade Brasileira de Pediatria, esse número não é o ideal. Eles defendem, baseado em um estudo, que a proporção deve ser de quatro leitos para cada mil nascidos vivos.

“Nós sempre vivenciamos UTIs sobrecarregadas, com população aumentada de recém-nascidos, hospitais solicitando vagas e muitas vezes nós não conseguimos atender a essas solicitações”, afirmou a médica Leila Cesário Pereira, do Departamento de Neonatologia da Sociedade Catarinense de Pediatria.

Para ela a má distribuição de leitos agrava a situação. “Que em cada região se possa contar com esse atendimento, que é um atendimento mais complexo, que exige uma maior tecnologia. Para prestar então, tanto para a gestante quanto para o recém-nascido, um atendimento de qualidade”, completou.

Por nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que considera suficiente o atual número de leitos. No caso de superlotação dos leitos públicos, a secretaria compra vagas na rede particular. Informou ainda que deve abrir mais 14 leitos de UTI neonatal na Grande Florianópolis até o final do ano. (G1)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.