Senadores adiam votação da reforma da Previdência para a próxima semana

A votação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, marcada inicialmente para esta terça-feira (24/9), ficou para a semana que vem. Em vez de priorizar o andamento da matéria, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), preferiu ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) reclamar da operação de busca e apreensão feita na semana passada no gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo na Casa.

A decisão desagradou a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), que se disse “contrariada” com o adiamento. Ela enfatizou que a sessão foi cancelada por determinação da Mesa Diretora, não por ideia dela ou do vice presidente do colegiado, Jorginho Mello (PL-SC). “Temos que acatar a decisão dos líderes”, afirmou.

Tebet definiu a decisão dos líderes, com Alcolumbre, como um “erro de estratégia”. “Acho que não é o momento de sinalizar qualquer dúvida para a sociedade em relação à reforma da Previdência. Mas, como não somos líderes e houve uma decisão dos líderes, cabe a mim apenas cumprir a determinação da Mesa Diretora”, explicou a senadora.

Assim, conforme acordo entre os líderes, a votação do parecer do relator da reforma, Tasso Jereissati (PSDB-CE), foi remarcada para a próxima terça-feira (1/10). A expectativa é de que o texto possa ser votado também no plenário, no mesmo dia. A votação, entretanto, pode se estender para a quarta-feira (2/10).

Visita ao STF 

Senadores e líderes acompanharam Alcolumbre até o STF, onde se encontrou com o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, para protocolar um pedido de suspensão da liminar contra a operação de busca e apreensão feita no gabinete de Bezerra Coelho na última quinta-feira (19/9). A ação faz parte de investigação que apura uso de empresas de fachada para lavagem de dinheiro e pagamento de propinas.

Para Alcolumbre, a visita “institucional” ao STF, feita em nome do Congresso, não poderia ser adiada. “Não haveria outro momento. Esse é o momento de reafirmação do Poder Legislativo”, defendeu. No Supremo, o presidente do Senado pede suspensão da liminar “dessa decisão monocrática que adentrou o Congresso Nacional”.

Calendário

O segundo turno de votação da reforma da Previdência no plenário do Senado ainda é previsto para 10 de outubro. Segundo Tebet, o calendário final foi mantido por um “amplo acordo” firmado com líderes, inclusive da oposição. Depois do primeiro turno, são necessários cinco dias úteis para que a matéria passe para o segundo.

Se forem contadas as segundas e sextas-feiras, o prazo pode ser cumprido até 10 de outubro. Mas, mesmo que não seja possível, os senadores estariam dispostos a ignorar o prazo, o que pode ser feito caso haja consenso. “Nessa conta, é possível. E tem acordo dos líderes da oposição para que a gente quebre interstício, se for necessário”, afirmou Tebet.

Líder do PSD na Casa, o senador Otto Alencar (BA) minimizou o atraso na votação pela CCJ. “A reforma é um processo para dar resultado em 10 anos. Portanto, não é para botar na sala e operar. Não está morrendo ninguém e não vai resolver amanhã, se aprovar. Em oito, 10 dias, não resolve. Não está sangrando, tem que esperar”, disse. (Informações Correio Braziliense)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.