TJ/SC aumenta para 20 anos pena a condenado por matar a tiros mulher de 21 anos em Jaborá

Jaborá – A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC) aumentou em quase três anos a pena a ser cumprida por Disnei Scopel, condenado pela morte da companheira em Jaborá. Scopel havia sido condenado em júri popular realizado no dia 19 de maio deste ano à pena de 17 anos e seis meses de reclusão, em regime inicial fechado. Foi julgado pelo crime de feminicídio, o primeiro caso na comarca de Catanduvas, pela morte de Tatiane Aparecida Pimentel, 21 anos.

Tanto defesa do réu quanto o Ministério Público apelaram da sentença. A defesa requereu o afastamento da qualificadora “recurso que dificultou a defesa da vítima” e o crime de feminicídio, além da Consunção para que o delito de posse ilegal de arma de fogo, munições e acessórios, estes de uso restrito, fosse absorvido pelo de homicídio qualificado, e, por fim, o benefício da Justiça gratuita. Já o Ministério Público requereu a majoração da pena.

Em julgamento, por acórdão, a Segunda Câmara Criminal decidiu, por unanimidade, conhecer dos recursos; por maioria, prover ambos parcialmente, o da Acusação para majorar a pena de ambos os delitos, e o da Defesa para conceder ao acusado as benesses da Justiça Gratuita.

Na aplicação da pena, ficou assim definida: 16 anos e 4 meses de reclusão para o delito  de homicídio qualificado, e de 3 anos e 8 meses de reclusão e 12 dias-multa para o de posse ilegal de arma de fogo, munições e acessórios, estes uso restrito. “Tendo em vista o concurso material de crimes, somando-se as penas, totalizando 20 anos de reclusão e 12 dias-multa”, aponta trecho da decisão do TJ/SC.

O julgamento de Disnei Scopel levou mais de 12 horas. Acusado de matar a mulher em Jaborá no dia 15 de novembro de 2015. O júri foi presidido pelo juiz José Adilson Bittencourt Júnior. Na acusação atuou o promotor de justiça Flávio Fonseca Hoff e como assistente de acusação a advogada Maria Helena Cerino. Na defesa do réu atuaram os advogados Mônia Kitiane Tonial e Robinson Andrei Gotardo.

Scopel foi condenado pelo crime de feminicídio e o porte ilegal de arma de fogo e munições (14 anos por feminicídio e 3 anos e seis meses pelo crime de arma de fogo). A tese apresentada pela promotoria pública e pela assistente de acusação convenceram o corpo de jurados formado por três homens e quatro mulheres. “Foi uma grande vitória”, resumiu após o julgamento a advogada Maria Helena Cerino.

O momento mais emocionante foi quando o promotor apresentou em um telão imagens da cena do crime juntadas no processo que mostraram os pontos em que os tiros atingiram Tatiane. O que acertou a cabeça, conforme o promotor, teria sido disparado a uma distância máxima de 30 centímetros.

Nesse momento familiares da vítima entraram em prantos. Já a advogada Maria Helena Cerino argumentou com base nas provas e laudos periciais que Tatiane foi executada sumariamente. No dia do crime um silenciador embutido ao rifle calibre 22 foi utilizado pelo réu. A vítima foi morta com três tiros, conforme laudo pericial. Um tiro atingiu a região abdominal, o outro a coxa e o terceiro a cabeça.

Após o crime, ele fugiu e se apresentou alguns dias depois. Foi liberado, já que havia passado o período de flagrante, mas foi preso horas depois a pedido da Polícia Civil. O acusado disse que houve um desentendimento entre o casal e após isso o assassinato. O casal já tinha histórico de brigas, conforme boletins de ocorrência e relatos de vizinhos. Familiares da vítima acompanharam o julgamento usando camisetas brancas com a foto de Tatiane.

Os pais de Tatiane não participaram devido ao abalo emocional. Disnei Scopel cumprirá pena recolhido ao presídio regional de Joaçaba.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.