Vereadora mais votada de Xaxim é presa suspeita de envolvimento em homicídio

A vereadora de Xaxim (SC), Maria de Lourdes Fonini (PSB), foi presa pela Divisão de Investigação Criminal (DIC), da Polícia Civil de São Miguel do Oeste (SC), na tarde desta quarta-feira (28), na 2ª fase da ‘Operação Defesa da Ordem!‘, que investiga o assassinato do advogado Joacir Montagna, no dia 13 de agosto de 2018, em Guaraciaba (SC). A vereadora é esposa do ex-prefeito de Xaxim, Cezar Fonini, que está preso desde maio de 2018 no Complexo Penitenciário de Chapecó. A informação da prisão da vereadora é do portal Lê Notícias.

Segundo a Polícia Civil foram cumpridos um mandado de busca e apreensão e um mandado de prisão em Xaxim. Durante a operação foram apreendidos objetos que visam auxiliar nas investigações. Os policiais também cumpriram outro mandado de prisão temporária em desfavor de um homem em Chapecó (SC).

A Polícia Civil informou que a prisão temporária dos suspeitos acontece por suspeita de integrarem o núcleo intelectual do homicídio do advogado Joacir Montagna, ocorrido em 13 de agosto de 2018 na cidade de Guaraciaba. Os presos estão recolhidos no sistema prisional à disposição do Poder Judiciário.

Maria de Louders Fonini foi eleita com 1596 votos, a maior votação da história de Xaxim.

Assassinato de Joacir Montagna


Foto: Arquivo Folha do Oeste

De acordo com a denúncia, no dia 13 de agosto de 2018, dois acusados saíram de carro de Chapecó para Guaraciaba. Um terceiro foi de motocicleta cuja placa era clonada e tinha o número do motor adulterado. Nas proximidades do trevo de Guaraciaba, o executor embarcou na moto e os dois foram até o escritório da vítima. Sem retirar o capacete, ele anunciou um “assalto” para as funcionárias do escritório e pediu para levá-lo ao “doutor”. Quando Joacir Montagna se abaixou atrás da mesa de trabalho, em menção de pegar o dinheiro, o acusado teria atirado acertando a cabeça da vítima.

Sem levar nada, os acusados fugiram de motocicleta, que foi abandonada no interior do município de Guaraciaba. Depois, eles voltaram de carro para Chapecó. Os cinco acusados foram presos preventivamente no decorrer das investigações. A motivação do crime é investigada pela Polícia Civil em outro inquérito que tramita em segredo de justiça.

Sentença dos réus

Em julgamento ocorrido em julho de 2019, em São Miguel do Oeste, cinco réus envolvidos no crime foram condenados. Um deles, Adelino José Dala Riva foi condenado a 34 anos. Ele foi condenado por homicídio duplamente qualificado e porte de arma. Deve cumprir a pena inicialmente em regime fechado.

Lucas Gomes dos Santos foi condenado a 29 anos e 55 dias de prisão em regime fechado. Ele foi condenado por homicídio duplamente qualificado, associação ao tráfico, receptação e porte de arma de fogo.

Abel Gomes dos Santos foi julgado por latrocínio, receptação e associação criminosa. A pena ficou em 36 anos e 6 meses com 55 dias/multa, em regime fechado. David Gomes dos Santos também foi condenado por latrocínio, receptação, associação criminosa e deve cumprir 35 anos e 55 dias/multa em regime fechado.

O José de Almeida, único dos cinco que vai cumprir a pena em liberdade, foi condenado a 3 anos de cadeia por porte arma. Ao todo, juntas as penas chegam a 137 anos e 6 meses. (Informações Lê Notícias)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.