Home Destaques Inflação acelera em maio e taxa anualizada atinge 3,93%

Inflação acelera em maio e taxa anualizada atinge 3,93%

0
Inflação acelera em maio e taxa anualizada atinge 3,93%

A inflação do Brasil acelerou em maio. Medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), passou de 0,38% em abril para 0,46% no mês. A taxa anualizada –que corresponde ao acumulado de 12 meses– aumentou de 3,69% para 3,93%. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou o resultado nesta terça-feira (11).

O Poder360 mostrou que as projeções de agentes do mercado financeiro indicavam uma inflação anualizada do Brasil mais alta em maio. As estimativas dos analistas eram de 3,84% a 3,93% no mês, acima dos 3,69% registrados no mês anterior.

A mediana das projeções era de uma taxa de 0,40% em maio. O resultado ficou acima do esperado. No acumulado do ano, a inflação foi de 2,27%.

INFLAÇÃO EM MAIO

O maior impacto da inflação foi do grupo saúde e cuidados pessoais, que teve taxa mensal de 0,69%, puxado pelos preços dos planos de saúde (0,77%), dos itens de higiene pessoal (1,04%) dos produtos para pele (2,26%).

No grupo de alimentação e bebidas (0,62%), a batata inglesa (20,61%), a cebola (7,94%), o leite longa vida (5,36%) e o café moído (3,42%) contribuíram para a maior inflação do mês.

Segundo a equipe econômica do PicPay, os alimentos tiveram a influência dos desafios climáticos recentes, com o aumento das temperaturas e as fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul.

O grupo habitação (0,67%) teve efeitos do aumento do custo da energia elétrica residencial (0,94%), com os reajustes em Salvador, Belo Horizonte, Campo Grande, Recife, Fortaleza e Aracaju.

O grupo de transportes (0,44%) foi impulsionado pelas passagens aéreas (5,91%) em maio. Os combustíveis também contribuíram:

  • Gasolina (0,45%);
  • Óleo diesel (0,51%);
  • Etanol (0,53%).

META DE INFLAÇÃO

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estabeleceu, em junho de 2023, uma meta de inflação contínua em 3%, com intervalo de tolerância de 1,5% a 4,5%. Em 22 de maio deste ano, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que a meta é “exigentíssima”. Na 6ª feira (7.jun.2024), ele afirmou que o governo manterá a meta neste patamar.

A inflação de maio será o principal indicador de referência dos diretores do BC (Banco Central) para a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) em 18 e 19 de junho. O encontro poderá marcar o fim do ciclo de cortes da taxa básica, a Selic, que é o juro base da economia. Atualmente, está em 10,5% ao ano.

A mediana das projeções é de um corte de 0,25 ponto percentual na próxima reunião do Copom, mas há agentes econômicos que já estimam uma Selic de 10,5% até o fim de 2024.

O comitê cortou a Selic por 7 reuniões consecutivas. A redução acumulada foi de 3,25 pontos percentuais. (Poder360)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.