Home Notícias Política Piloto catarinense corre na mesma pista onde Ayrton Senna teve a primeira vitória na F1 e leva bandeira de SC

Piloto catarinense corre na mesma pista onde Ayrton Senna teve a primeira vitória na F1 e leva bandeira de SC

0
Piloto catarinense corre na mesma pista onde Ayrton Senna teve a primeira vitória na F1 e leva bandeira de SC
Foto: Renato Gama
Nesta semana, o piloto catarinense André Gaidzinski irá correr a primeira etapa de 2024 do Campeonato Endurance da Porsche Cup Brasil, em Portugal. A disputa será no Autódromo do Estoril, o mesmo onde Ayrton Senna obteve a primeira pole e vitória na F1.
Com uma pista de 4,36 quilômetros e 13 curvas, o autódromo tem outra relação com o Brasil, além de Senna. Ele leva o nome de Fernanda Pires da Silva que o idealizou, juntamente com o arquiteto brasileiro Ayrton Lolô Cornelsen. A corrida de longa duração será de 300 Km e Gaidzinski irá dividir o volante com o piloto Wagner Pontes. “Estou bastante motivado para esta etapa”, destaca André, que já foi vice-campeão da Endurance.
Com uma logística complexa, os carros que irão disputar a competição estão em uma viagem de 28 dias, período que dura o trecho marítimo entre o Porto de Santos, no Brasil, e as terras portuguesas, percorrendo mais de oito mil quilômetros no Oceano Atlântico. Famoso por levar a bandeira de Santa Catarina para todos os pódios que conquista, o piloto catarinense é inteiramente patrocinado por empresas catarinenses: Aurora Alimentos, Liderança Serviços, Tropilha Grill, Fanatic, Arquitech Revestimentos e a Teltec Solutions como patrocinadora Master.
O cronograma desta primeira etapa internacional da Porsche Cup Brasil começa com treinos na quinta-feira (20/06), treinos livres e corrida de classificação na sexta-feira (21/06). A corrida acontece no sábado (22/06), com o box aberto às 7:25h, a formação do grid às 7:40h, a volta de apresentação às 8h e a largada às 8:03h (horário de Brasília).
Esta prova pode ter no máximo 2 horas e 30 minutos de duração e será realizada em parceria com Wagner Pontes. As duplas têm que se alternar a cada pit stop, que são três obrigatoriamente ao longo da prova, com uma duração de 6 minutos cada. Estratégia é a palavra-chave, pois cada dupla tem o gerenciamento de três jogos de pneus e do combustível, a definição da calibragem e de como serão ajustadas as barras estabilizadoras do carro, dentre outras decisões importantes. “Uma corrida de longa duração representa um grande desafio e exige de cada piloto técnica, físico, mente, muita estratégia e espírito de equipe”, reforça André, que desde 2018 corre na Porsche Cup Brasil, a maior categoria de monomarca de automobilismo da América Latina.
A segunda etapa do Campeonato Endurance será na Argentina, em setembro (300 Km). E a grande final, em São Paulo, no Autódromo de Interlagos, em novembro (500 Km).