Home Blog

Carro colide de frente com caminhão na avenida Caetano Natal Branco, em Luzerna

0

Um homem fugiu após se envolver em um acidente de trânsito na noite desta sexta-feira (24) em Luzerna, no meio-oeste. Uma pessoa ficou ferida e precisou ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros Militar. No local ocorrera uma colisão envolvendo um carro e um caminhão, por volta das 21h, na Avenida Caetano Natal Branco.

Conforme informações, um Fiat Siena com placas de Herval d’Oeste fazia o sentido Luzerna a Joaçaba, e um caminhão com placas Mercosul, o sentido contrário. O acidente aconteceu depois que o motorista do carro realizou várias ultrapassagens em locais proibidos, invadindo a pista contrária e colidindo no caminhão.

De acordo com a Polícia Militar, que também foi acionada, e do relato do motorista do caminhão, assim que colidiu, rapidamente o motorista do Siena deixou o veículo e fugiu, deixando uma pessoa ferida no carro, que foi atendida pelos bombeiros e encaminhada para o atendimento hospitalar.

Agora, conforme as informações, a polícia vai trabalhar no sentido de tentar identificar e localizar o motorista do veículo. Os danos no carro foram de grande monta.

Facção PCC tem frota de aeronaves para servir a políticos e é chamada como “PCC eleitoral”, diz Istoé

0

O Governador de São Paulo, Tarciso de Freitas, emitiu um alerta à sociedade sobre o controle de mais de 1.100 postos de combustíveis no Estado pelo PCC, conforme informações divulgadas pela revista IstoÉ. Além disso, a facção criminosa adquiriu uma usina de etanol e tem intimidado pequenos e médios agricultores da região Sudeste, em particular em São Paulo, forçando-os a vender cana por um valor abaixo do preço de mercado.

A publicação revela que o “grupo empresarial” em questão organizou uma pequena frota aérea de alto padrão. O PCC já tem, registrado em nome de terceiros, pelo menos dois jatos de porte médio e um helicóptero de grande porte, avaliados em US$ 30 milhões (cerca de R$ 160 milhões).

Pode ser ainda mais terrível o que se mostra aterrorizante. Segundo a coluna de Mazzini/IstoÉ, essa frota aérea não é utilizada apenas para o conforto dos membros independentes da facção ou para seus empreendimentos ilícitos. Detetives já descobriram que alguns políticos de alto escalão, de variados partidos, estão viajando nessas aeronaves como passageiros de carona.

De acordo com a revista, o “PCC Eleitoral” mostra audácia em seus esforços políticos. O plano do grupo é empregar esses aviões para estabelecer conexões com líderes de partidos e reunir um conjunto de candidatos para concorrer a prefeituras importantes. Isso, inicialmente.

Homem morre ao ser atingido por um raio no Rio Grande do Sul

0

Um homem de 38 anos, morreu após ser atingido por um raio na tarde de quinta-feira (23), na localidade de Sete de Setembro, zona rural de Erval Grande no Rio Grande do Sul.

Segundo levantamento de informações, a vítima teria saído de sua residência para buscar algumas vacas próximo ao local do fato para que fosse feita a ordenha das mesmas, quando acabou sendo atingido pelo raio.

Os Bombeiros Voluntários de São Valentim, junto com o Samu e a Brigada Militar de Erval Grande, foram acionados para a ocorrência, mas ao chegarem ao local, o homem já estava em óbito. A Brigada Militar permaneceu no local até a remoção do corpo. (Rádio Ponto Norte) 

 

Suspeito de amarrar explosivos em funcionários de banco durante assalto no Pará é preso em SC

0

A Polícia Civil de Santa Catarina efetuou a prisão de um homem suspeito de participar de um violento assalto a banco em Santa Maria do Pará, ocorrido em fevereiro de 2023. O suspeito, que estava foragido desde o ano passado, foi capturado enquanto pedalava uma bicicleta pelo Centro de Presidente Getúlio, no Alto Vale do Itajaí, na tarde de quarta-feira (22). A operação contou com informações fornecidas pela Polícia Civil do Pará e o apoio da Delegacia de Dona Emma.

Durante o assalto ocorrido em fevereiro do ano anterior, o gerente e o tesoureiro de uma agência bancária foram severamente ameaçados com explosivos amarrados ao corpo, sob coação para entregar quantias em dinheiro aos assaltantes. Após a ação criminosa, o grupo fugiu, iniciando uma série de investigações que já resultou na prisão de outros dois suspeitos nos estados do Piauí e Minas Gerais.

Após a prisão, o suspeito foi conduzido à Delegacia de Polícia de Presidente Getúlio para procedimentos de praxe e, em seguida, transferido ao Presídio Regional de Rio do Sul. Ele agora aguarda as decisões judiciais pertinentes enquanto a Polícia Civil do Pará continua as investigações para esclarecer totalmente o caso e identificar outros envolvidos.

SC libera a venda de produtos animais vindos do RS para auxiliar produtores afetados pelas chuvas

0

A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) vai permitir a entrada e venda em Santa Catarina de produtos de origem animal registrados nos serviços de Inspeção municipal e estadual do Rio Grande do Sul. A medida vale por 90 dias e visa auxiliar os produtores gaúchos afetados pelas chuvas a se recuperarem, visto que antes das enchentes estes produtos não podiam ser comercializados fora do Estado gaúcho. As informações são do g1.

O assunto foi debatido em uma reunião on-line realizada na terça-feira (14), entre os órgãos e entidades de defesa agropecuária do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais, além da presença do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa).

A Cidasc enviou uma declaração expressa ao Mapa alinhada a essa autorização, e vai disponibilizar no site oficial uma lista dos estabelecimentos aptos a vender esses produtos, garantindo a segurança e a qualidade alimentar para os consumidores catarinenses.

A presidente da Cidasc, Celles Regina de Matos explica que os produtos são seguros, já que a procedência é controlada pelos órgãos da agricultura. A medida acrescenta ainda que, para o ingresso dos produtos em Santa Catarina, é necessário uma autorização de trânsito emitida pela Superintendência Federal de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio Grande do Sul.

Segundo Celles, a medida deve aliviar significativamente a carga das pequenas empresas, pois os produtos gaúchos de pequenas propriedades da agroindústria familiar poderão ser revendidos em estabelecimentos espalhados por vários estados brasileiros.

Para a gestora do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Deinp), da Cidasc, Alexandra Reali Olmos, a iniciativa é um passo importante na busca de soluções flexíveis e eficazes para os desafios colocados pelos cenários de crise no Rio Grande do Sul.

A colaboração entre os Órgãos de Defesa Agropecuária demonstra o compromisso de atender às necessidades dos produtores e consumidores, mantendo, ao mesmo tempo, a integridade e a segurança dos alimentos vendidos em todo o país”, disse a gestora.

Impacto das chuvas na agricultura e agroindústria gaúcha

A decisão atende a uma solicitação da Associação Gaúcha de Laticinistas e Laticínios (AGL), pedindo pela flexibilização das regulamentações vigentes, para garantir que os produtos de origem animal produzidos no território gaúcho continuem sendo vendidos.

O documento continha dados do mês de abril da Secretaria de Desenvolvimento Rural que mostravam que o estado possui 1.792 agroindústrias formalizadas, sendo destas, 637 de produtos de origem animal registrados nos Serviços de Inspeção Municipal (SIM) ou Estadual (SIE).

O documento da AGL ainda apontou as perdas que a tragédia climática trouxe para os produtores gaúchos:

  • Cerca de 50% perderam lavouras/pastagens;
  • 100% estão prejudicados com danos logísticos, seja no recebimento de insumos e matéria-prima ou no escoamento da produção;
  • 90% perderam compras de clientes PJ’s e PF’s; 80% deles foram impactados pelo cancelamento ou suspensão das feiras;
  • 40% estimam perder entre 50% a 70% do faturamento entre os meses de maio e julho.

Tragédia no RS já soma R$ 1,67 bilhão em indenizações de seguros

0

Empresas de seguro que atuam no Rio Grande do Sul já receberam 23.441 comunicados de acidentes decorrentes dos efeitos adversos dos temporais que atingem o estado desde o fim de abril. Segundo a Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), somados, os avisos de sinistros já ultrapassam a casa dos R$ 1,67 bilhão a serem pagos em indenizações, mas ainda estão muito distantes de representar a real dimensão dos prejuízos da catástrofe.

“Neste momento, uma parte muito grande dos segurados sequer avisou os sinistros ocorridos. Sequer entraram com os pedidos de indenização. Isso é natural, porque as pessoas estão cuidando de questões muito mais prementes. Cuidando de suas sobrevivências e de salvar seus bens. Muitas pessoas vão deixar para fazer as notificações assim que as coisas se acalmarem mais”, disse o presidente da entidade, Dyogo Oliveira.

Para Oliveira, dada a extensão da área atingida e o fato de áreas densamente povoadas terem sido afetadas, esse será, provavelmente, o maior conjunto de indenizações já pago pelo setor segurador no Brasil em consequência de um único evento, superando o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), da mineradora Vale, em 2019.

“E as seguradoras já vêm adotando procedimentos muito rapidamente para pagar os sinistros mais simples. Muitas seguradoras já estão pagando as primeiras indenizações e temos notícias de que, em média, há pagamentos sendo feitos em até 48 horas, com processos simplificados, inclusive dispensando vistorias e auditorias”, assegurou Oliveira.

Conforme os dados fornecidos por 140 seguradoras associadas à Cnseg, o maior número de avisos de sinistro registrados entre 28 de abril e 22 de maio vem de clientes residenciais/habitacionais, totalizando 11.396 comunicados, o equivalente a cerca de R$ 240 milhões em pagamentos previstos. Em seguida vêm os contratantes de seguro automotivo, com 8.216 registros ou cerca de R$ 557 milhões, e o seguro agrícola, com 993 registros ou R$ 47 milhões.

Seguros como o empresarial, de transporte, riscos diversos e riscos de engenharia resultaram em 2.450 avisos de sinistros, totalizando uma previsão de pagamento de indenizações de pouco mais de R$ 322 milhões. Já os seguros contra grandes riscos, ou seja, seguros corporativos que incluem, entre outros, os empreendimentos de infraestrutura, englobam 386 avisos e atingem cerca de R$ 510 milhões.

“Os grandes riscos são os mais difíceis de avaliar no momento. As estruturas asseguradas estão, na maioria dos casos, alagadas. Só quando as águas baixarem será possível avaliar os danos”, explicou Oliveira, sem dar estimativas do valor total que as empresas seguradoras poderão ter que pagar a seus clientes.

“Não estamos fazendo projeções. Até porque, neste momento, é tecnicamente impossível e indesejável projetar o tamanho do impacto. Qualquer número que seja divulgado é um grande chute e a confederação não pode atuar desta maneira”, disse o presidente CNseg, acrescentando que o risco de o sistema de seguros não dispor de recursos para pagar as indenizações devidas é mínimo.

“Pode haver uma ou outra empresa mais impactada, mas não há esse risco, pois os custos são distribuídos entre todo o sistema, entre um grande número de empresas”, explicou Oliveira.

“Lamentamos tudo o que está acontecendo no Rio Grande do Sul e o setor segurador vem tomando medidas efetivas, demonstrando um comprometimento muito grande com a população do estado. Logo no início, recomendamos às seguradoras que fizessem o adiamento dos vencimentos dos contratos e isso foi feito por todas as empresas, que têm prorrogado [os vencimento] e reforçaram suas equipes, atendendo até mesmo a pessoas que não eram clientes”, disse.

Voluntários catarinenses realizam cortes de cabelo gratuitos, no RS

0

Uma equipe de cabeleireiros e barbeiros do Sul de Santa Catarina foi até Canoas, no Rio Grande do Sul, para oferecer 400 serviços gratuitos, entre cortes de cabelo e barba, para as vítimas da enchentes do Estado.

Maykon Albano Donato, um dos voluntários, conta que a ideia surgiu de sua esposa. O cabeleireiro entrou em contato com o colega Alison Delmestre e, nesta semana, os profissionais se mobilizaram para ajudar o Rio Grande do Sul. Ao todo, foram 20 profissionais e cinco auxiliares dos municípios de Balneário Arroio do Silva, Araranguá, Sombrio e Turvo.

É triste e complicadíssimo. Pior do que a gente vê na internet, 600 pessoas dormindo no chão de um ginásio, um colchão do lado do outro, sem privacidade. Montamos nossas mesas e começamos a cortar”, relata o cabeleireiro Maykon Albano Donato.

A ação teve como objetivo levar conforto e dignidade, além de elevar a autoestima dos afetados pela chuva. O grupo de voluntários recebeu apoio da Prefeitura de Araranguá, que disponibilizou transporte gratuito para o estado gaúcho.

Foram visitados três abrigos em Canoas. Com o sucesso da ação, os profissionais planejam voltar ao Rio Grande do Sul para oferecer novos serviços gratuitos às vítimas.

Foi ótimo e nós queremos fazer de novo. Estamos nos organizando. Entrando em contato com os abrigos, porque não pode simplesmente chegar lá, para fazer de novo”, reforça Donato. (NSC)

FOTOS-Voluntarios-catarinenses-realizam-com-cortes-de-cabelo-gratuitos-no-RS-6

FOTOS-Voluntarios-catarinenses-realizam-com-cortes-de-cabelo-gratuitos-no-RS-1

FOTOS-Voluntarios-catarinenses-realizam-com-cortes-de-cabelo-gratuitos-no-RS-2

FOTOS-Voluntarios-catarinenses-realizam-com-cortes-de-cabelo-gratuitos-no-RS-3

FOTOS-Voluntarios-catarinenses-realizam-com-cortes-de-cabelo-gratuitos-no-RS-4

Apoio de órgãos de outros estados reforça reconstrução no Vale do Taquari

0
O apoio a famílias do Vale do Taquari conta com voluntários, empresas e órgãos públicos de outros estados brasileiros em diversas iniciativas. Na região, que começa a organizar a infraestrutura das cidades, dos negócios e das residências, essa ajuda tem sido importante, também, para auxiliar as prefeituras locais com especialistas e equipamentos.
As forças de segurança representam uma das ajudas mais evidentes. No caso dos bombeiros, por exemplo, servidores de 13 estados, incluindo do Rio Grande do Sul, atuam no Vale do Taquari, muitos desde a etapa de resgate de pessoas. Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe têm efetivos na região.
Na Defesa Civil, há apoio das equipes de Amapá, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.
Outro exemplo é a atuação dos voluntários do Instituto Água e Terra (IAT), que chegaram à região em 12 de maio. Mais de 60 técnicos do órgão ambiental ficaram à disposição da Defesa Civil local desde então. O grupo é vinculado ao governo do Paraná e está trabalhando na limpeza urbana, distribuição de água potável por meio de caminhões-pipa, resgate de pessoas e animais e apoio logístico com barcos e camionetes 4×4.
Neste momento, a ação de limpeza pública de ruas, praças, escolas, creches e hospitais, entre outros espaços, está concentrada nos municípios de Arroio do Meio, Colinas, Cruzeiro do Sul, Encantado, Estrela, Muçum, Rio Pardo, Roca Sales e Sinimbu. Na quinta-feira (23/5), o apoio foi estendido para Venâncio Aires, com a chegada de nove novos caminhões-pipa cedidos por cidades vinculadas à regional do IAT de Ivaiporã, no Vale do Ivaí.
Na segunda-feira (20/5), mais 30 caminhões-pipa e quatro camionetes 4×4 foram enviadas pelo governo do Paraná para ampliar a força-tarefa de apoio às vítimas das enchentes.
Outro movimento partiu de diferentes prefeituras que adotaram cidades gaúchas. O coronel Claiton Marmitt, que está atuando na coordenação das ações da Defesa Civil na região do Vale do Taquari, disse que caminhões e máquinas que estão chegando em caravanas para a região são bem-vindos. Claiton destacou que os veículos causam um impacto bastante positivo na percepção da solidariedade que vem marcando essa tragédia e permitem um trabalho importante e que não seria viável sem esse aporte, mesmo com a ajuda de outros municípios gaúchos. Desde o início da crise climática, são inúmeras as ações de colaboração de diferentes estados, municípios e órgãos federais.
Nesta sexta-feira (24), a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) também recebeu a confirmação da chegada, no sábado (25), de servidores do Pará e Paraná. Os profissionais atuarão nas cidades de São Leopoldo e Canoas, em apoio a ações de assistência social. (Agora no Vale)

Honorários advocatícios em causas privadas devem respeitar o CPC, decide STF a pedido da OAB

0

Nesta sexta-feira (24), saiu decisão do STF acolhendo pedido da OAB, a qual define que nas disputas entre entes privados os honorários advocatícios devem ser sempre fixados entre 10% e 20% sobre o valor da condenação, do proveito econômico obtido, ou, quando não for possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa.

”Sob a liderança do presidente Beto Simonetti , obtivemos esta decisão que chancela nossa conquista obtida na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas que alguns magistrados ainda insistiam em descumprir ou em suspender os processos judiciais que versavam sobre honorários”, celebrou o vice-presidente nacional da OAB, Rafael Horn.

Doravante a discussão no recurso extraordinário que tramita no STF se restringirá apenas aos honorários fixados em face da Fazenda Pública, no qual a OAB também seguirá atuando para manter a conquista obtida na Corte Especial do STJ, favorável à advocacia.

Homem furta picanha e a esconde na cueca, foge da polícia, cai de moto e é preso

0

A Polícia Militar de Goiás prendeu um açougueiro por furtar três peças de picanha gourmet e esconder a carne dentro da cueca. Ele foi detido depois de cair da moto ao tentar fugir de policiais da corporação. Além disso, a moto que ele usava estava com o licenciamento anual vencido. O caso aconteceu em Luziânia (GO).

O episódio foi registrado no bairro JK, na Avenida Sara Kubitschek. A corporação disse que fazia uma patrulha na região quando o dono de um açougue relatou que um dos funcionários tinha deixado o local com um volume estranho na cintura.

Na abordagem, a polícia encontrou três peças de carnes escondidas dentro da calça do rapaz.

Ele confessou que tinha acabado de furtar a picanha do local onde trabalhava. Ele foi preso em flagrante, e a motocicleta foi apreendida por falta de licenciamento anual obrigatório.